sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Acerto


Bem que me avisaram pra acordar um pouco mais cedo hoje. Bem que me avisaram pra não beber tanto daquilo de nome estranho, que botaram no meu copo. Tenho culpa se o gosto era bom? Agora, o mundo vai acabar, e eu aqui, sem ter sequer tirado a calça rasgada do pijama. Bom, vamos aos trâmites. Hora de lavar a cara, esquecer de fazer a barba e correr. Dizem que hoje é o fim do mundo, e eu preciso chegar a tempo no tribunal.

É, inventaram um tal de “juízo final”, onde o povo é obrigado a prestar contas de tudo o que fez de bom, de ruim e de legal desde sua primeira lembrança. O brasileiro é obrigado a isso, bem como a votar e a sorrir pra turista, sambando como der. Pra variar, cheguei atrasado, e encontrei um monte de conhecidos na fila. Até tentei furar, mas eu achei melhor evitar novidades no interrogatório. Dizem que lá no céu tem amendoim à vontade.

Como eu vivi tanto! Foi o que eu pensei, quando encontrei cada figura do meu passado ali, esperando a hora de confessar tudo e sair com seu bilhete único rumo ao terminal. Seu Nestor, aquele porteiro desgraçado! Espero que ele tenha dito o quanto me roubou quando eu era criança, no dominó. Pobre moleque! Gente fina era a esposa dele, Dona Gina. Não merecia as piadinhas que eu fazia com seu nome, ela cozinhava tão bem.

Olha a Carla. Cresceu, hein! Bem maior do que no tempo em que a gente brincava de médico na cama dos pais dela. Será que ela ainda lembra que foi meu o primeiro beijo da vida dela? Será que foi mesmo? Enfim, não importa. O meu primeiro foi com ela, e meu orgulho nunca vai deixar ela saber. Meu orgulho e o tempo, na verdade. Aquela ali é a Dani. Espero que ela conte ao juiz que me traiu com o bombadão da turma. Pistoleira! Só porque o carro dele era conversível... Só porque ele tinha um carro. Mas tudo bem, a fila andou.

Andou mesmo. Minha vez de encarar minha própria ficha corrida. Confesso que nunca fui lá muito certinho, mas tirei o primário só com notas azuis. E boas. Até uma certa idade, a verdade é que eu era um chato. Nunca colei chiclete no cabelo da menina mais patricinha da sala, nem mijei na caneca da “tia”. Tudo mudou depois que eu vi o Carlinhos batendo num CDF da turma, só por ser maior – mais gordo e mais ruivo – e me ameaçar ser o próximo.

Os jurados me olhavam meio de lado, enquanto eu continuava a contar minha história. Falei do dia em que ajudei uma senhora cega a atravessar a rua, e quando eu não contei pra minha mãe que foi meu irmão quem quebrou a cristaleira. Era a hora de me encaminhar pro céu. Já eram quase cinco da tarde, ainda faltava bastante gente pra ser julgada ali. Então, o cansado juiz me declarou apto à salvação. Estava limpo. Hora de carregar a mochila, os seguranças terceirizados já me encaminham para a fila da documentação.

Chegando lá, a atendente, fina feito um rinoceronte que não recebia há dois meses e ainda tinha que pagar o colégio dos três filhos, viu minha identidade, meu RG, minha carteira de vacinação, estava tudo certo. Mas cadê as benditas fotos 3x4? Quinze pras seis, final de expediente, e eu não tenho as fotos na carteira. “Na hora do desespero, seja criativo”, já dizia papai. “Moça, acontece que eu fui assaltado, me levaram tudo nessa confusão de apocalipse, sabe? Mas eu prometo que consigo tudo o que falta em 72 horas, no máximo, e mando por e-mail. Posso passar?”. Passei. A Dani também. Pra quem ela prometeu dar, pra conseguir estar aqui?

Finalmente, hora de embarcar. Nave bonita, espaçosa, tem até ar condicionado. Espero ficar ao lado de alguma garota bem cheirosa, e não algum macho fedorento daqueles que subiam no mesmo ônibus que eu, quando voltava do colégio. Serviço de bordo? Mas que beleza! Ainda bem que os Maias acertaram. Só assim pra eu ganhar comida de graça... Pera, o que esses seguranças estão fazendo? Porque estão vindo em minha direção? Sair da nave? Por quê? Será que eles descobriram que eu roubei uma sacola de compras daquela velhinha cega que eu ajudei a atravessar? 


IMAGEM: http://www.aascj.org.br/home/wp-content/uploads/2012/08/juizo-final.jpg

Nenhum comentário: