quarta-feira, 18 de abril de 2012

Claustrofobia



É como um escafandro. Você, mergulhador iniciante, é lançado ao mar pelo medo/desejo de conhecer, mesmo sabendo que a pressão lá embaixo não é pouca. É escuro, chega uma hora em que você não consegue ver um palmo a frente de seu nariz empinado, e o que lhe resta é o imediatismo, o agora, o presente. De grego, quem sabe?

Aí você vai lá, o medo continua, mas o orgulho cresce, infla, quase não cabe dentro daquela roupa pesada e feia. Corais incríveis, pedras, peixes, estrelas-do-mar, uma constelação de novidades, que enche os olhos. Você pode até tocar em uma, mas não poderá ir muito longe. Há o tubo de ar que te sustenta. Tubo de realidade que te segura.

Você continua, o passeio ganha ares surreais. Descobrindo aquele mundo, quase infinito, a vontade é a de querer tudo, de ser tudo, fazer o que puder e não puder para estar ali, no meio, se sentindo parte da maravilha posta aos olhos do espectador. Você se envolve. Pensa até em entrar em alguma ONG de proteção aos animais marinhos, pensa muito, pensa demais... mas há o tubo de ar, ali, te impedindo de ir mais longe.

De repente, quando nada pode ser mais chato do que aquela amarra da liberdade, ele se desprende da roupa. Desespero. Água entrando, ar acabando, e você descobre que toda a sua aventura em busca do novo, de tão tresloucada, acabou não servindo de nada. A não ser para provar a você, quando era tarde demais, que o tempo é curto, a liberdade é rarefeita e, pasmem, ainda depende muito de nós. Somos nada sem respirar.

Quando a pressão lhe dói e a água chega perto das narinas, o fim é certo, nenhuma vontade vai lhe salvar, nenhuma estrela-do-mar, por mais bela e atraente, vai te dar apoio. Você quis ser demais, foi fundo demais, mesmo raso, e acabou se perdendo no fascínio do trabalho disfarçado. Você se cansou, você se prendeu, você perdeu.

Ou não. Hora de acordar desse dia e começar mais um pesadelo claustrofóbico, o pesadelo da rotina.


IMAGEM: http://devanil.com/wp-content/uploads/2011/08/mergulho-9086.jpg

Nenhum comentário: