domingo, 4 de março de 2012

Perguntas




Quase meia-noite, e essa solidão freqüente, esse silêncio eloqüente das minhas madrugadas me faz pensar. Tudo, todos, qualquer coisa passa pela minha mente, tão vazia quanto o meu peito, despido e oco. Por quê? Como eu consigo não ser alguém diferente, apenas ser mais um na multidão solitária, que o mundo parece estar se tornando? O que eu faço pra mudar isso?

É isso, essa é a grande questão, o mistério da minha vida. O que eu fiz por mim hoje? Desde quando levantei da minha cama quente, até agora, será que eu consegui ter um dia bom? Não quero ser vítima da rotina, mas acabo sendo. Por quê? Querer não é o suficiente. Querer não é poder. Será que eu quis mesmo ser diferente? Quantos sorrisos eu ofereci, sem motivos, sem destino?

O que eu fiz pelo mundo hoje? Será que eu plantei sementes de alguma coisa, que não seja mágoas passadas e ressentimentos, inveja da alegria alheia, lágrimas contidas pelo simples fato de eu existir assim? Será que eu fiz alguém sentir orgulho de fazer o que faz? Será que eu agradeci? Valeu mesmo a pena ter sobrevivido? O que o mundo fez por mim?

Ele não deve fazer nada por mim, e é duro chegar a essa conclusão. Orgulhoso como sou, não aceito me olhar no espelho e perceber o quão cinza é minha vida, o quão negra é minha sombra e o quanto ela me engole, de tal forma que eu não posso fugir. Mas eu tento fugir? Parece que eu me entrego, eu me rendo fácil, não reluto e deixo a onda fria me levar. Eu não sei nadar.

O que eu fiz por mim até hoje? Quantas montanhas eu já escalei? Quantas quedas eu já sofri? Quantos “melhores dias da minha vida” eu já tive o prazer de viver? Prazer. Quando eu senti de verdade? Minha infância é tão distante, não faz sentido eu me prender ao passado, quando o presente pesa tanto e o futuro praticamente não existe. Sou um homem sem ontem e sem amanhã. Apenas rascunho de alguém que se repete, sem tentar mudar, mudar pra melhor, ou qualquer coisa.

O que eu faço por mim? E por você? O que você fez por você hoje? Não importa mais. Daqui a pouco já é de manhã, e vai começar tudo de novo. As mesmas perguntas e a mesma falta de respostas.


IMAGEM: http://www.leitematerno.org/images/perguntas_frequentes.gif

Um comentário:

Thaís disse...

O tempo tem passado tão rápido e a rotina sufoca tanto que esquecemos de refletir sobre o que estamos fazendo por nós mesmos. Parabéns pelo texto, amor.