segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Um dia ruim




Acontece. Nem sempre o sol te acorda sorrindo, às vezes até machuca a luz que poderia te levantar, te estimular e te fazer abrir os olhos para o que é bom no mundo. Quando nada resolve te ajudar e você não pode fugir dos compromissos, tem que encarar a rotina, mesmo trocando seu reino por apenas um colo, um abraço, uns minutos com você mesmo... É, amigo! Hoje não é, dos seus dias, o melhor.

Aqueles nobres conceitos de alegria, de vida, de amor, nenhum vale muita coisa nessas horas, inevitavelmente. É absurda e normalmente aceitável passar por algo assim, já que máquinas podem ser programadas para sorrir (e não pensar) o tempo todo, e nós não. A humanidade é traiçoeira, não te dá a chance da eterna perfeição. Lembrando que perfeição é só um conceito que criamos para fugir dos nossos medos e fingir que tudo está bem.

Se você é pacifico, alguém resolve te tirar pra uma briga. Se você está tranqüilo, a faculdade te enche de trabalhos repentinos. Se você vive bem com seu amor, eis que surge o maldito ciúme. Se você busca um objetivo, ele voa mais pra cima, mais pra longe de você. O seu dia dura menos do que deveria. O sofrimento também.

Poder prever um dia ruim é legal, te poupa de um montão de dor de cabeça. Agora não teria tanta graça se não fosse inesperado, aquela sensação de que “hoje o dia vai ser longo”, só surgida após os primeiros bocejos espreguiçados da manhã. O “de repente” existe e é cruel. A confiança depositada vira fumaça, a calmaria vira tempestade dentro de você, e o que era certeza não é mais nem sinal de questionamento. Queda.

Levanta! Ter maturidade para encarar um dia péssimo não é absoluto entre todos, tem gente que não consegue fazer estes dias virarem passado o mais rápido possível. Alimentam, fazem a bola de neve crescer, e engolir o calendário inteiro, a começar pelo amanhã. Tão promissor! A fuga, a salvação de uma desgraça completa. Se hoje nada vai bem, o que resta é a porta mais próxima, chamada de “o dia seguinte”. Mas se até ele não lhe parecer muito chamativo, o que fazer? Vai chorar, vê se ajuda. Pelo menos evita suicídios. Se não fosse isso, metade da população da Terra já seria pó. Afinal, quem nunca teve um dia ruim?


IMAGEM: http://1.bp.blogspot.com/-kjNrxDWrZPE/TY9jdCXr6JI/AAAAAAAAC1s/F2UgOyj8gsc/s1600/chuva.jpg

2 comentários:

Caio Oliveira disse...

Eu li, eu li! Fazia tanto tempo que tu não postava nada que me deu até saudade (pasmem)!

Raíssa Bahia disse...

A maturidade não vem com a idade, e sim com o número de experiências que você vive que são impregnadas de razões para te fazer crescer com tudo o que se encara. Dias ruis todos tem e sempre terão, a vida é repleta de ciclos que ora nos elevam, ora nos afogam, o legal e mais importante de ter dias ruins é saber lidar com eles para que possamos, em outra oportunidade, fazer de um mesmo instante uma constante. Parabéns, muito bom.