domingo, 14 de agosto de 2011

O homem da minha vida


Ele me recebeu, ainda feio, com cara de joelho, e me amou desde antes, muito antes de me ver.

Ele não vomitou, muito menos desmaiou.

Ele me carregou no colo, me jogou pro alto, e me fez brincar de voar. Voei.

Ele trocou minhas fraldas.

Ele não conseguiu me fazer andar de bicicleta, mas com ele eu fui mais longe.

Ele acreditou.

Ele me ensinou o valor das coisas, desde uma camisa até um forte abraço.

Ele me estendeu a mão, quando eu caí.

Ele me segurou, do jeito dele, quando eu precisei de forças.

Ele respeitou minhas decisões, e me fez respeitar as deles. Sem medo. Respeito.

Ele me fez escolher paixões. Certas, como o Paysandu. Temporárias, como o Flamengo.

Ele aceitou as gozações, não poucas, quando o São Paulo vencia. E me fez agüentar o troco.

Ele brincou, e soube brincar.

Ele nunca foi de falar.

Ele nunca foi de se calar.

Ele me deu suporte, carinho, correção, lição. Ões.

Ele me disse “sim”, sorrindo, para fazer minhas vontades mais superficiais.

Ele me disse “não”, sério, quando não havia outra resposta.

Ele esteve nos momentos simples, de almoços de família, dos domingos em volta da mesa.

Ele esteve, simplesmente, nos melhores momentos da minha vida.

Ele compartilhou minhas lágrimas. Eu chorar não é o impressionante. Ele chorar comigo, pelo mesmo motivo, duas vezes, isso sim.

Ele chorou a minha alegria.

Ele foi o meu querido, meu velho, meu amigo.

Ele amou minha família, de um jeito, que nenhuma palavra explica.

Ele trabalhou, sustentou, nos criou. Minha mãe, meu irmão e eu somos gratos. Seremos sempre.

Ele errou, também, como todos. Tentando acertar, nos erros ele me ensinou o Modo de Não Fazer.

Ele tentou.

Mas sabem o que ele faz de melhor?

Ele existe.

Ele é o exemplo.

Ele é o apoio.

Ele é o orgulho.

Ele é, em meio às suas imperfeições, o mais perfeito.

Ele é o super-herói, do menino que ainda não cresceu.

Ele é o amor incondicional.

Ele é o homem da minha vida.

Ele é meu PAI.




Um comentário:

filizzolinha disse...

Fez-me lembrar de meu pai...
Vim em busca daquelas palavras de ontem e encontrei o texto perfeito. Obrigada.