segunda-feira, 18 de julho de 2011

Passado Presente - Parte I

Último capítulo

E naquele estúdio, sem teto de luzes, sem paredes de madeira, sem contra-regras ou diretores, lá estava Gabriel, com a arma em punho, e Marina na mira. Quem diria, o casal perfeito, os novos “namoradinhos do Brasil”, em uma cena antagônica, um contra o outro. Um corpo ensangüentado entre os dois só aumentava o clima funesto de uma despedida lacerante.

Gabriel só queria saber o motivo, talvez a única alternativa que teria de ser feliz, na vida real, como era na ficção, com a bela Marina. O brilho nos olhos era falso, truque de televisão, truque feito a armação do destino, cruel, por não dar a chance do casal, finalmente, aproveitar de todos os limites intermináveis de uma história de amor digna dos folhetins dos anos 70.

Seus personagens, mais profundos do que os próprios intérpretes, tanto em sentimentos, quanto em força de vontade, vontade de resistir, persistir, resistir aos não poucos desafios que um amor de verdade enfrenta. E quem irá dizer que o amor dos dois, nos bastidores, não era verdadeiro? Era intenso sim, gigante sim, sincero sim. Tão assim, pequeno demais para um camarim, um corredor, dois minutos de prazer.

Marina, com sangue nas mãos, tentou explicar, tentou falar, não conseguiu. As últimas falas do seu script foram cortadas na edição, e não seriam lá tão belas. Naquele ponto, sua vida não tinha mais vida, e o triste fim seria apenas questão de tempo. Gabriel, o catalisador, não agiu com razão, nem com coração. Ele era apenas um monte, um resto, sem distinções de pensamento, ou mesmo de sentimentos. O ódio e o amor, a perturbação e a clareza, tudo levou, como uma onda fatal, ao fim de tudo.

O gatilho disparou, Marina era o segundo corpo daquela sala, vazio, sem alma. Gabriel cai, incrédulo, feliz, aliviado, arrependido. O público assiste, absolutamente chocado, o fim da história de um casal maior do que a dramaturgia, que nasceu e morreu grandioso. Não poderia ser diferente. Gabriel Vilhena e Marina Aguiar serão, para sempre, o novo Casal 20 da telenovela brasileira.

Fim.

As explicações ficam para o começo.







Um comentário:

Filipe Almeida disse...

adorei cara, ficou muito bom. Parabéns :D