domingo, 15 de maio de 2011


Fé na verdade do mundo, que ela possa existir, apesar do mar de hipocrisia e falsas promessas que se tornou o nosso habitat natural. A naturalidade que perdemos, talvez nunca tenha existido, mas dentro de cada um ela não pode se perder. Pois, se um dia isto vier a acontecer, nada seremos além de máquinas, com engrenagens no lugar do coração.

Fé no amanhã, e mais do que isso, fé no hoje. O tempo voa, escoa pelas mãos, e o comodismo de deixar para depois acaba criando monstros da preguiça. Monstros que disseminam a resignação maléfica, a covardia, o “baixar a cabeça”. Mas sem desistir de acreditar no dia seguinte, como a esperança de salvação. O que não pode é transformar o amanhã em única opção. Faça hoje. Acredite no presente.

Fé no futuro. Um país que cresce despreparado, política, economicamente. Nosso povo ainda não percebeu que o Brasil é mais importante do que parece, e enquanto a consciência não vier de nós, o protagonismo mundial do nosso país pode entrar para a história, como mais um “milagre econômico”. Depende somente de nós fazer diferente no futuro. Nossos caminhos somos nós que abrimos, nesta selva de pedra e desilusões.

Fé no respeito ao próximo, ao respeito às diferenças. Ser diferente é o único traço igual a todos nós. Tolerar não é a palavra, pois significa algo forçado, imposto, a única alternativa para que uma fachada se mantenha. O verbo é respeitar. A consciência de saber que seu vizinho é gay ou sua irmã é agnóstica, e que você não tem o direito de julgá-los por isso. Ninguém tem.

Fé no seu time do coração, que ele possa chegar ao topo, ou escapar da degola. Que todos possamos escapar da degola, a pressão do dia-a-dia, as cobranças de todos os lados. Temos que ser bons filhos, bons pais, alunos nota 10, funcionários do mês, abrindo mão da nossa própria vida, da nossa própria felicidade. Que ainda possamos ser os senhores de nossos próprios destinos.

Fé em uma televisão de qualidade, sem apelação nem exploração da tragédia humana, espetacularizada apenas por audiência. Internet pode ser mais do que uma ameaça, na cabeça de seus pais. Pode sim. Esperar que os conteúdos sejam mais educativos, menos criminosos e/ou idiotas é querer demais. O que se pode acreditar é em uma juventude mais seletiva, mais consciente. Ora, sonhar não faz mal a ninguém!

Fé nos sonhos. Que nunca percamos a capacidade de fazer planos, de ter objetivos, por mais oníricos que sejam. Que a gente viaje mesmo, na maionese, nas nuvens, nos céus de fertilidade. Quem pode viver sem sonhos? A dádiva maior do ser humano é a liberdade da imaginação. Tenho fé na perpetuação da beleza da vida, no prazer de querer mais e melhor. Toda obra nasce de uma idéia

Fé em nós mesmos.  Fé em uma vitória brilhante, mesmo em meio a um fracasso. Fé no “sim”, depois de um “não”. Fé que um dia tudo vai melhorar, quando sua vida enfrenta, passivamente, uma maré ruim. Acreditar no que diz Renato Russo: “Quem acredita sempre alcança”. O que é o homem, senão o fruto da confiança de uma entidade maior que nós? Seja em Deus, em deuses, em uma ideologia, ter fé é ter força, disposição, esperança. Ter fé na vida, o maior presente que podíamos receber. Ter fé na vida é, simplesmente, viver.



IMAGEM: http://3.bp.blogspot.com/_3k9vcy8Tpu4/TIF_kRkqKjI/AAAAAAAAAWk/wyyvLlydd3Q/s1600/f%C3%A9.jpg

Nenhum comentário: