terça-feira, 8 de março de 2011

Quatro lados


Hoje é o Dia Internacional da Mulher, uma das formalidades mais absurdas desse país tão absurdo. Mais uma prova de que esta porca sociedade machista ainda não desembaçou as lentes da admiração que as mulheres precisam. Ainda falta muito, para que o 8 de março deixe de ser o único dia onde nós lembramos o valor que elas tem, e às vezes nem se dão conta. Uma mulher de tantos adjetivos de tantos lados, que se unem na mais perfeita harmonia, na mais bela canção. Paixão. Coração.

Mulher guerreira. Como lutam, verdadeiras leoas, com garras de pelica, com a força de um tigre e a sutileza de uma libélula. Voadora, sonhadora, nunca desiste de ser e viver sua missão por aqui. Brincam de querer tudo, e acabam conseguindo, nesse mundo onde as fontes de coisas boas são cada vez mais esgotáveis. Pensando melhor... Não são elas as maiores e melhores fontes, onde, com gosto, os homens se afogam sem pensar? Benditos frutos dos vossos ventres, as nossas mais ferrenhas protetoras. Tempo para casa? Elas tem. E para o trabalho? Elas também tem. E para os filhos, e para elas? Não há o que uma mulher obstinada não consiga.

Mulher poderosa. Elas nunca mandaram tanto em nós, amigos. Não mandam porque e bonito, porque vem a calhar dizer isso. Elas nos dominam, desde um sorriso despretensiosamente intencional, daqueles que derrubam qualquer insinuação besta de orgulho masculino, até as ordens que mudam a vida de um país. Estamos todos nós, brasileiros, a mercê de uma certa Dilma, o maior símbolo de que o espaço das mulheres no cotidiano nunca mais merece ser desprezado. As mulheres nos dominam. Graças a Deus.

Mulher feminina. A pétala. O pior cego é aquele que não quer ver a beleza, o charme, os encantos exalantes do corpo feminino. Cego não, burro. Ah, quando elas passam... Tudo fica (e  fica mesmo) mais bonito de ver, a cidade fria esquenta, as trevas se iluminam. Façam de conta que são manequins ambulantes. Façam de conta que não ligam. Nos façam contar sua linda imagem para os outros, infelizes, que perderam o brilho dos seus olhos, suas curvas maliciosas, sua imersão em nossos sonhos. Quando sua parceira demora duas horas em frente ao espelho, não reclame. Saiba que sempre valerá a pena.

Mulher amorosa. A frieza desrespeitosa dos homens se compensa com o coração que pulsa, mais do que isso, vive. Um amor protetor, que envolve sem esconder o mundo como ele é. Apenas protege. Imuniza. Um amor gratuito, em cada pequeno gesto, que as torna grandes. Maiores do que um dia nós, eternos garotos, pretendemos ser um dia. Emoções que não se justificam. Somos um bando de filhos da mãe, a mais bonita, a maior referência. Sem sua doçura, a selva de pedra chamada existência seria muito mais penosa.

Faltam palavras, faltam homenagens. A maior delas seja, talvez, o respeito que ainda nos falta. Não apenas da parte de nós, homens. A degradação da imagem feminina é, também, fomentada pelo descaso de muitas delas, que enfeiam o que nunca deveria ser menos admirável do que é. A nossa fortaleza, sem medo de exagerar nos clichês. Nenhum se esgotará, nem esgotará a nossa eterna contemplação. Quem disse que atrás de um grande homem existe uma grande mulher, se enganou. A mulher sempre vem a frente!




Um comentário:

Mayra Leal disse...

Incrível, Gustavo! É muito bom pra uma mulher ver alguém do sexo oposto fazendo o que somos obrigadas todos os dias: defender o sexo feminino numa sociedade, infelizmente, ainda tão machista. E você fez isso de uma forma realmente encantadora. Nós, mulheres, somos multipolares, sim, e é aí que está contido todo o encanto, prazer e dor em pertencer a esse sexo.
Gosto muito de tudo que escreves, e apesar de acompanhar teu blog como leitora fantasma não podia deixar de te elogiar por esse texto. Que bom que existem homens que sabem ver beleza em todas nossas faces. Que não se esgote essa eterna contemplação (vinda tanto dos homens, quanto de nós próprias que acabamos esquecendo o nosso valor)! Amém! =D
Parabéns pelo blog, pelo texto e por palavras tão sábias! Um beijo ;*