segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Amanhã

Amanhã é claro que o sol vai voltar, mais uma vez. Eu sei, nós sabemos. Amanhã terei mais uma chance de fazer o que hoje eu não pude, o que ontem eu não quis fazer. Até que se prove o contrário, há sempre o que esperar do dia seguinte, coisas boas ou ruins. Isso depende apenas do seu hoje. Nada deu certo, a sua vida resolveu seguir um caminho avesso, sem ao menos lhe comunicar, e você não sabe o que fazer, não tem o que fazer? O jeito é esperar. Se os seus pés cansaram, pedem descanso, se algo te pegou de surpresa e não fez bem, se alguém resolveu sumir sem saber quando volta para você, torça. O descanso pode ser amanhã, a surpresa pode te fazer sorrir amanhã, a pessoa pode voltar amanhã. É o que resta.

Pare e pense um pouco, verifique se vale a pena sofrer tanto pelo que está acontecendo. Talvez sim, valha mesmo, seja até necessário. Todo ser humano precisa do seu momento para chorar, pensar que não há mais salvação, imaginar que o fim chegou. Isso, em doses certas, pode ter efeito construtivo, até estimulando o recomeço. E quantas vezes nós temos que levantar, sacudir poeira e dar voltas na vida? Vivemos um eterno perde-e-ganha, e desistir na primeira queda é burrice. Nunca ela será a última, que isso fique bem claro. Enquanto nos sobrarem braços, pernas, cabeça e coração, tudo pode reiniciar. Trabalhos perdidos, arquivos que podem ser reconstruídos. Medalhas não conquistadas, escada para o topo do pódio. Amores que vão, amores que vem.

Qualquer gota de vontade vira um mar de superação, e basta que nós desejemos isso com fervor. Claro que não é fácil perder, nos vermos impotentes em frente às derrotas, elas derrubam, rasgam planos, quebram pernas. Mas que planos não podem ser replanejados? Não há derrota irreversível, nem a morte. A morte não pode ser considerada uma derrota, pois é fato consumado e fato que só faz a vida valer mais e mais. Esperar por ela passivamente é atestado de incompetência voluntária. Sim, voluntária! Pois todos somos inteligentes o bastante para decidirmos se a nossa passagem por aqui é digna ou não de ser aproveitada.

Se os erros são humanos, é nossa obrigação consertá-los o mais rápido possível. A vida dá a chance para quem sabe usar, mas ela pode não durar o suficiente. Talvez não seja uma boa ideia pagar pra ver até onde as oportunidades irão chegar. Se os problemas vêm até nós, sem cerimônias, sem pedir licença, quando é fácil imaginar que nada pode ser feito, ah, pode sim! Sempre pode. Afinal, nós somos ou não somos brasileiros? Dizem por aí que nós não desistimos nunca. Na verdade, ninguém deve desistir. Obstáculos, ora, todo caminho tem. O que nós, pessoas, precisamos ter, é jogo de cintura, paciência e, acima de tudo, esperança.

Nada é absoluto. Nem nós, nem a vida. Então, pode demorar, pode doer, mas o amanhã chega, ah, chega! Pode demorar um dia, um mês, um ano ou mais, porém o amanhã sempre estará lá, nos esperando. Não defendo uma vida acomodada, onde o que se pode fazer amanhã não seja feito hoje. Eu apenas acredito em mais uma chance. Acredito que o dia que perdemos hoje nos pode ser devolvidos sim. Só depende dos interessados. Acredite. O sol vai sim voltar amanhã. Eu sei. Saiba você.

Nenhum comentário: