quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Valorize

“Depois de tanto tempo, a luz do sol, a luz no fim do túnel. Depois de tanto tempo, o calor do abraço, o sabor do beijo, os sabores, as cores, a vida. Depois de tanto tempo, saber que o tempo não acabou”.

Para calar a boca daqueles que acham que tudo hoje tem preço, que todos tem preço, que não há nada que um cartão de crédito não compre, esses últimos dias nos mostraram que, entre tudo de vendido que nos cerca, uma coisa, a maior coisa, não tem preço: a vida. Quanto vale uma vida?
Vale um sorriso aberto, daqueles que troca todas as decepções e cansaços de um dia sacal por uma alegria que nada pode explicar, e sim, sentir? Vale ver a pessoa amada feliz, mesmo que não seja com você? Vale o dia de domingo com seu filho, vale ver seu time campeão, vale chorar ao ver uma santinha? Vale a emoção de ter a cabeça raspada, a emoção do “sim”, a emoção do abraço, vale a emoção? Vale, tudo isso e mais um pouco, mais um muito daquilo que as palavras se mínguam em explicar.
Os pequenos gestos, quaisquer que sejam, guardam uma importância que, por estarem em pequenos frascos, não é sentida, é ignorada, despercebida, mas que faz falta em grandes momentos. Uma lisonja, um elogio que você deixa de ouvir do seu chefe hoje pode te tirar do altar amanhã. Insegurança. Quem é seguro, por favor, atire a primeira pétala de flor! E não culpe sua vida, ela é tão boa. Talvez o erro esteja em quem a vive. Não existe vida ruim, o que existe é um mal vivedor. Aquele que acha que espetar o dedo acaba com o resto da semana e que seus problemas nunca são menores do que os problemas alheios. Aquele que acha que a vida está como está e, simplesmente, se conforma. Perde a forma.
Será que a vida vale um tiro no peito? Uma pedra de crack? Se é isso que eu tanto vejo na TV, nos jornais, nas ruas perto de mim... A vida vale bem mais do que isso, isso que não vale nada. Se pensarmos bem, veremos que nada que fazemos é inútil, tudo tem seu valor, sua função. Nem que seja para que nós possamos refletir, pensar duas vezes, nos arrepender. Arrependimento. Não adianta, sempre fica algo por dizer, algo por fazer, por mais que nem saibamos. O tempo não para, nós não devemos parar.
Já que a vida vale tanto para ser tão pouco, pra quê pensar que não se é capaz de tirar uma nota boa na prova de amanhã ou que aquela garota é inatingível? Pra quê pensar que não existe razão nas coisas feitas pelo coração? Pra quê? Quem parar pra se perguntar isso agora pode ganhar dúvidas que nem lembrava que tinha. É a vida! É a vida! Essa é a vida que vale, a vida que deve valer, bem mais do que os problemas que insistimos em cultivar. A vida que vale mais que tudo, mais que todos. A vida que não tem preço.

2 comentários:

Lucíola S. disse...

"Pra quê pensar que não existe razão nas coisas feitas pelo coração?"-legião *---------*
inspira
ta perfeito, eu te disse que virei leitora oficial

OY disse...

Excelente texto. Adorei o do dia das crianças tmb ^^
mt obrigada por passar no emu blog e ser um seguidor, te seguirei em agradecimento e serei leitora assindua por aqui!
um grande beijo.
Livy