sábado, 24 de abril de 2010

Capital do Brasil e dos brasileiros






Na última quarta o sol nasceu mais bonito no Planalto Central. Não, nenhum politico corrupto foi cassado nem a lei da Ficha Limpa foi aprovada e sancionada pelo presidente não. Aliás, não teve nada de político, nem deveria ter. O dia era de festa, da comprovação de que Brasília deu certo. 50 anos de uma terra que nasceu de um sonho e vingou. No meio do meio do nada, uma cidade diferente de qualquer outra, bonita como nenhuma outra, feita por gente de verdade, como qualquer outra.

A capital federal sofre uma injustiça de certa forma justificada por senhores de terno, gravata e colarinho branco que, sem um pingo de vergonha, fazem de Brasília os seus grandes caixas eletrônicos. Alguns sinônimos de Brasília: falcatrua, roubalheira, pizza, corupção. Decepção. O povo brasiliense merece mais, assim como todos os brasileiros que olham pros prédios públicos, com os desenhos inconfundivelmente "niemeyerianos", com desconfiança e certa resignação. O que esperar dos nossos governantes supremos? Mas isso não pode, nem deve justificar a má impressão que a maioria dos brasileiros tem da cidade candanga. Brasília é bem mais do que isso.

Seria incorente com todo o passado dessa terra reduzi-la a adjetivos pejorativos. Desde que Juscelino viu a necessidade de integrar o país tirando a capital do litoral, Brasília já seria uma obra histórica. Fazer brotar um distrito federal da aridez do cerrado, a lá Vegas, não era - e ainda não se tornou - tarefa simples. Pra passar pro papel o faraonismo de JK, Oscar Niemeyer. Simplesmente um gênio das linhas. Retas, curvas, não importa. Lúcio Costa, o concretizador da genialidde. Sem ele, a capital não sairia do papel. Sem ele e sem muita, mas muita gente mesmo, de todas as partes desse Brasilzão. Todos se encontrando pra, debaixo de sol e chuva, botarem de pé aquela loucura planejada. Candangos que fizeram a história. daí pra frente, o povo se encarregou de dar cara de cidade àquela nova terra,cheia de esperança.

O povo de Brasília é cosmopolita como poucos por aqui. Cearenses, gaúchos, cariocas, amazonenses, goianos, todos juntos numa cidade mais que plural. A cultura brasiliense é uma síntese de todas as culturas brasileiras, cada forasteiro que se encaixou perfeitamente nesse quebra-cabeças humano trouxe de sua terra natal um ingrediente pra formação da identidade do lugar. Assim como hoje ainda o fazem. Culinária de dar água na boca, música de todos os tipos, pra todos os gostos. O rock que retratou o Brasil de verdade nasceu lá. Um Aborto do medo em meio aos tempos de ferro da ditadura, que contagiou um Legião de legiões. O sertanejo, a febre nacional. Nada mais justo, afinal Brasília é Centro Oeste. Sem preconceitos, nem preferências. E pra quem pensa que a noite de Brasília não existe, existe muito. Vários pontos muito interessantes pra curtir, pra viver. O Paranoá é mais que um lago, é um reduto de gente que gosta de viver bem. Uma das melhores cidades pra se viver, quem diria, há pouco mais de meio século era um nada.

E esse nada nasceu da vontade e da esperança de um povo guerreiro e lutador, que nunca desistiu de buscar o melhor pra si e pros seus próximos. Hoje a luta dos cidadãos brasilienses é para que o resto do país deixe de enxergar a sua cidade como antro de desonestidade. A maioria não merece pagar pelos erros - muitos erros, por sinal - de meia dúzia de ratos. Brasília é a capital do Brasil, mas, acima de tudo, é a capital dos brasileiros.




3 comentários:

aline disse...

Adorei muito o texto acima além de fazer uma ótima redação me baseando nesse texto eu conheci um pouco mais da nossa capital....meus parabéns para esse autor!

Gustavo Ferreira disse...

Caramba, um texto meu inspirou uma redação, que bacana! Muito obrigado mesmo, mesmo!

Helena Diniz' disse...

és meu ídolo, sabes disso. Te amo irmão s2